Hollywood Lança Filme Policial Espírita

junho 23, 2013

Por Tony D’Andrea

Novo lançamento da Universal Pictures, R.I.P.D. é um filme de ação que mescla temas espíritas e policiais.  Em sua sinopse, depois de ser assassinado, o espírito do policial Nick Cruz (ator Ryan Reynolds) é recrutado pela R.I.P.D. (Rest In Peace Department), força policial desencarnada dedicada à proteção do mundo dos vivos contra espíritos malévolos que se recusam a passar para o além. O policial veterano desencarnado Roy Pulsipher (ator Jeff Bridges) é outro personagem central, tira durão e irreverente com sotaque de vaqueiro e piadinhas sarcásticas que explica a criminalidade no mundo espiritual ao seu colega de trabalho e à platéia de espectadores mainstream.

Evidente mistura de Ghost e Men In Black, o filme é baseado em uma história em quadrinhos do mesmo nome. Não espere nenhum ensinamento  espírita profundo ou filosófico. R.I.P.D. é pura diversão, usando fórmulas típicas de Hollywood com tom de comédia infantil para atrair uma maior audiência, assim amenizando a temática sobrenatural que poderia ter sido abordada em forma pesada ou adulta (terror, psico thriller, drama, etc). A filmagem foi concluída em janeiro de 2012, mas problemas na pós-produção retardaram o lançamento de R.I.P.D. para julho de 2013.

Assista ao trailer legendado em português, e deixe seu comentário.

Anúncios

Filme Espírita de Clint Eastwood: Hereafter (Outra Vida)

outubro 30, 2010

Por Tony D’Andrea

Estrelado por Matt Damon, dirigido por Clint Eastwood e co-produzido com Steven Spielberg, o filme Hereafter (Outra Vida) é apresentado pela Warner Brothers como “um drama de três pessoas traumatizadas pela morte. George (Matt Damon) é um operário americano com poderes mediúnicos. No outro lado do mundo, a jornalista francesa Marie (Cécile de France) passa por uma experiência de quase-morte que transforma a sua vida radicalmente durante um tsunami. E quando o menino inglês Marcus (Frank/George McLaren) perde a pessoa mais próxima, ele busca respostas desesperadamente. Cada um em sua senda pela verdade, suas vidas vão se cruzar através do que acreditam além da vida.”

Não é exatamente um “filme espírita de Clint Eastwood” como descrito em alguns blogs brasileiros. Aborda temas de interesse espírita de forma sutil e belíssima, mas não faz afirmações nem alusões proselitistas – até pelo contrario. Assim, não espere por nenhum Nosso Lar. Previsto para estrear no Brasil em fevereiro de 2011, Hereafter já está entre os top 5 campeões de bilheteria em outubro 2010, com 12 milhões de dólares.

Concordo com um dos principais críticos de cinema norte-americano Roger Ebert. Ele nota que Hereafter aborda o tema do após-vida com delicadeza, beleza e tato. Diferente do cinismo que marca suas resenhas, ele confessa surpresa em se ver envolvido pelo filme, “uma estória sobre o sobrenatural que evita comprometer-se com esta possibilidade. Mas o filme admite a consciência após a morte temporária, baseada em relatos de ressuscitados, sobre luzes brancas, entidades esperando, e sentimento de paz.” (Eu passei por esta experiência em 1995, a qual, apesar do susto imediato, me deixou com uma impressão muito boa e tranquila sobre o momento da morte).

“Persuasão não é a intenção do filme”, como Ebert bem observa. O sobrenatural é retratado mais como um espaço de especulações do que um continente conhecido. Assim desapontando nossos clamores por verdades sobrenaturais, “os fantasmas digitais que ocasionalmente flutuam na tela são mais marcos simbólicos do que aparições literais.” Pontos para debates espíritas…

Clint Eastwood, com 80 anos, afirmou em entrevista ao LA Weekly, “Há um aspecto de charlatanismo sobre o após-vida, pois a humanidade se recusa a aceitar que esta vida é a única que temos. Eu não tenho a resposta. Talvez existe um mundo espiritual, mas eu não sei, então eu me aproximo do tema sem saber. Eu apenas conto uma estoria.” (Eastwood nota que o o roteirista do filme Peter Morgan não acredita em vida após a morte). Como Ebert bem observa, este é um filme sobre como o amor nos torna carentes de uma vida após a morte.

O foco de Eastwood é com a vida dos personagens que vivem, não com os espíritos.

Para além da beleza existencialista do filme, há certo consenso entre críticos e audiência que, apesar da premissa provocante, Hereafter não gera um drama eletrizante, mas devagueia entre forte sentimentalismo e um certo tedio meloso. O filme tem um ritmo saturnal caracteristicamente Eastwoodiano,  como visto em Million Dollar Baby e Gran Torino.

De qualquer forma, é raro ver as distraídas audiências norte-americanas chorando durante um filme sobre o sobrenatural. Concordo ainda com Ebert que “Hereafter é um filme para pessoas inteligentes que são naturalmente curiosas sobre o que acontece quando as persianas se abaixam.”  Não perca. Assista ao trailer, e deixe seu comentario no Con-Ciencia.


Nosso Lar: Resenha de Resenhas

setembro 21, 2010

Por Tony D’Andrea

De fato, ha uma certa implicancia contra o filme “Nosso Lar”. Se voce nao for Kardecista, e’ provavel que vai enfatizar possiveis furos ou inconsistencias. No “Forum Espirita” online, por outro lado, a posicao e’ diametralmente oposta, como e’ de se esperar…

O filme nao e’ perfeito, mas e’ muito interessante mesmo, seja do ponto de vista de producao, como tambem de enredo. Mais importante, reflete bem o “espirito” do livro. E’ uma bobagem ser purista e exigir que uma reproducao cinematografica seja absolutamente uma replica da escrita.

Mais intessante ainda vai ser como audiencias no exterior vao entender e reagir ao filme. E’ preciso uma distribuicao decente e tambem uma boa publicidade no Oscar 2011 (caso o Ministerio da Cultura tenha mesmo algum poder de lobby em Hollywood). O ideal talvez seria uma versao dublada em ingles, ja que muita pouca gente nos EUA, Europa ou Asia tem interesse na lingua portuguesa.

Assim, tenho muita curiosidade em ver que outros filmes (se ha’ algum) o “Nosso Lar” seria comparado, ou entendido por alguem com total desconhecimento da obra Kardecista: Ghost, Senhor dos Aneis, Inception?…


Nosso Lar: Shangri-lá da Era Vargas?

setembro 3, 2010

Por Tony D’Andrea

Estreia hoje (Set 03, 2010) o filme “Nosso Lar” a nível nacional, baseado no livro psicografado de Chico Xavier publicado em 1944. Este é  um clássico do Espiritismo (e um dos meus favoritos de juventude). O filme parece ser muito bem feito, retratando fielmente o livro, o primeiro de Chico Xavier. Para quem não leu ou não se lembra de “Nosso Lar” aqui vai uma sinopse:

“Publicado em 1944, Nosso Lar é o primeiro dos 15 livros psicografados por Chico Xavier (1910-2002) pelo espírito do médico André Luis. De lá para cá, já está na 60ª edição e tem mais de dois milhões de exemplares vendidos, apenas no Brasil. Estima-se tenha sido lido por mais de 16 milhões de pessoas. Traduzido para várias línguas, entre elas o inglês, francês, alemão, espanhol, esperanto, japonês, russo, mandarim, grego e até em braile, é catalogado com um dos 10 melhores livros do século XX, sendo o recordista da literatura espírita.

“O livro conta a vida após a morte do médico André Luis que, apesar de saber estar desencarnado, sente fome, sede e frio, e se depara com um lugar assustador e tenebroso, o Umbral, para o qual vão os espíritos das pessoas com pesados atos na vida terrena. Ao resignar-se a uma jornada de autoconhecimento, transformação e resignação de sua condição, André Luis pede ajuda, sendo então resgatado e encaminhado à cidade espiritual Nosso Lar, situado nas camadas mais altas da atmosfera terrestre. Lá ele descobre que a vida continua para todos e que haverá um novo retorno a Terra no processo de reencarnação.” (Fonte: Blog de Cinema, Diário do Nordeste, 23/08/2010 por Pedro M. Freire)

Tendo lido diversas abordagens sobre colonias espirituais (R. Monroe, Blavatsky, Bardo Todol, Lobsang Rampa, W. Vieira, etc.), fica claro que o “Nosso Lar” expressa uma leitura bem brasileira e bem anos 1940 sobre o mundo espiritual: Xavier dá forte enfase ‘a estrutura burocrática (incluindo departamentos de censura!) e hierarquias lideradas por doutores, particularmente médicos, expressando o bacharelismo como traço da cultura brasileira. A conexão básica: 1944 (publicação do livro) = fim da ditadura Vargas…

Se escrito nos anos 2000, “Nosso Lar” possivelmente faria uma leitura diferente de colonias espirituais: ressaltando, por exemplo, aspectos de globalização multicultural, caos urbano, mobilidade digital, descentralização administrativa e cooperativa, etc.  Enfim, “Nosso Lar” aborda um tema universal (colonias espirituais) mas lida através de uma ótica particular, modernista e pietista de Chico Xavier, refletindo a historia do Brasil no fim da era Vargas e II Guerra Mundial.

“Nosso Lar”: uma visão de Shangri-lá espiritual durante os anos Vargas?…


Filme “Inception”: Realidade e Projecao

julho 31, 2010

Por Tony D’Andrea

“Inception” e’ um filme magistral de Christopher Nolan que segue a linha de psico-thriller eletrizante que o fez famoso com “Batman Begins” e “The Dark Knight”. O plot e’ o de psicólogos com tecnologia para penetrar o subconsciente das pessoas durante o sono, com detalhe: o psicólogo também deve estar dormindo durante a sessão. No filme, estes penetras da mente (Leonardo Dicaprio, Ellen Page, Joseph Gordon) são ladroes do mundo da espionagem industrial, manipulando sonhos de executivos para roubar ou implantar ideias milionárias. Os detalhes você pode admirar no cinema. Aqui relaciono o filme com possíveis interpretações da psicologia e projeciologia.

“Inception” se inspira em conceitos básicos da psicologia: o sonho enquanto estado alterado da consciência, e as projeções subjetivas do inconsciente com as quais nos relacionamos durante o sonho, e as quais frequentemente definem ou distorcem nossa noção de realidade, nossas percepções e opiniões.  Os filmes de Nolan aludem a estes estados alterados, especialmente através de drogas psicoativas. Em “Batman Begins”, Bruce Wayne cheira o fumo da rosa violeta para confrontar medos inconscientes com alucinações emotivas. Em “The Dark Knight”, Coringa e’ um esquizofrênico sociopata agudo. Em “Inception”, um químico indiano produz um forte sedativo que permite sonhar em múltiplos níveis: um sonho dentro de um sonho, dentro de um sonho…

Este sonhar dentro do sonho paradoxalmente levanta a questão da consciência sobre a diferença entre fantasia e realidade. Durante o sonho, as vezes sabemos que estamos sonhando. E em outras ocasiões, a realidade parece onírica (surreal) em circunstancias absurdas, bizarras, marcadas por fortes emoções. No filme “Inception”, os espiões industriais usam amuletos pessoais (“totem”) em auto-teste íntimo para discernir se estão acordados ou sonhando: um peão ou peça de xadrez são usados em situações de emergência psicológica.

Projeciologos e outros projetores astrais frequentemente falam da necessidade de discernir a realidade do sonho. Neste ponto de vista, a projeção da consciência não e’ apenas um sonho subjetivo, mas fenômeno objetivo e real que ocorre numa dimensão extra-física. Também interessante, assim como os personagens de “Inception” usam totens para saber se estão acordados, projeciologos usam uma técnica semelhante. O sujeito deve repetir a si mesmo uma mesma pergunta durante o dia e semanas, “estou dormindo ou estou acordado?”. A premissa e’ a de que, com a repetição se satura a mente, e o sujeito passa automaticamente a fazer a mesma pergunta durante estados semi-oníricos e oníricos. Assim, se feita durante o sonho, a pergunta funciona como alavanca (totem!) para despertar a consciência fora do sonho e fora do corpo, segundo os projeciologos.

No filme “Inception”, as dimensões do inconsciente e realidade são apresentadas através de uma perspectiva estritamente subjetiva e psicológica. Em nenhum momento se faz referencias a ideias espiritas ou projeciologicas. Entretanto, no Brasil, muitos vão interpretar o filme neste viés: como projeções da consciência para fora do corpo, particularmente no caso dos personagens que infiltram a mente de sonhadores para roubar ou depositar ideias. Estes penetras podem ser identificados como obsessores espirituais, e as projeções inconscientes personificadas, abundantemente mencionadas no filme, podem ser vistas como espíritos desencarnados…

Independente da sua posição – espirita, projeciologo, materialista ou cético – não deixe de assistir “Inception”. Trata-se de um filme com roteiro muito original, excelente e eletrizante.