Internationalization of Projectiology (Free Book Chapter)

abril 20, 2013

By Tony D’Andrea

Founded in Brazil by the mid-1980s, Projectiology as an organization for the study of out-of-body experiences and the paranormal has expanded across the country and also internationally: Argentina, USA, UK, Spain, Portugal and even China.

My sociological analysis of its international strategies has been published as a chapter in the book “The Diaspora of Brazilian Religions” (Brill, 2013), a scholarly compilation of various religious, spiritual and parascientific cases.

It is my pleasure to offer the study on Projectiology, so anyone may find out more about the international growth of this emerging parascience.

Click here for a free PDF of the article “Internationalization of Projectiology”


Como vai a sua “Programação Existential”?

dezembro 27, 2012

Por Tony D’Andrea

Foi com certa surpresa que minha resenha crítica sobre o Manual da Proéxis de Waldo Vieira foi publicada na revista conscienciológica Conscientia. Surpresa por que, segundo alguns colegas me diziam, aquela comunidade paracientífica não aceitaria publicar uma análise que tece uma crítica ao modelo de prescrição reencarnatória de Waldo Vieira.

Entretanto, como você vai notar, a resenha valoriza a objetividade e considera os pontos fortes assim como áreas de melhoria na obra de Vieira, avaliada de forma construtiva. A resenha está disponível no número 15.4 da revista Conscientia, ou aqui mesmo em formato PDF (Resenha do Manual Proexis 2012 Rev Conscientia). Aproveite, e deixe aqui o seu comentário. Feliz 2013!


Radiolab: “Fora do Corpo, Torre de Controle”

dezembro 18, 2011

Por Tony D’Andrea

Radiolab e’ um show de radio americano a nivel nacional focada em temas cientificos e artisticos narradas de forma de documentario. Mais de 300 estacoes transmitem o programa, que e’ financiado pela Alfred Sloan Foundation, uma das instituicoes filantropicas-cientificas mais prestigiosas do planeta.

Alguns programas sao bem mais complexos e cobrem psicologia traspessoal e neurociencia. Ha’ um episodio interessante sobre estados alterados da consciencia (Where Am I?)  que inclui um trecho muito interresante sobre um piloto militar que passa uma experiencia fora do corpo em pleno voo (Out of Body, Roger). Estes dois episodios foram feitos em 2006, mas sao retransmitidos ocasionalmente e tambem estao disponiveis em arquivo. E’ preciso notar que a Radiolab e’ retransmitida pela NPR, rede de noticias semi-governamental objetiva e’ assistida pelas classe A e B com alto nivel educacional. Em lingua inglesa. Confira.


Purported Spontaneous Psi Events and Neurolinguistic Programming Model

julho 6, 2011

By André Percia de Carvalho
apercia@terra.com.br

ABSTRACT:

The author is going to suggest correlations between aspect of the Model from Neuro-Linguistic Programming (NLP) and observations and studies made in parapsychology, specially the study of purported spontaneous phenomena, as well as suggest the potential insights and contributions that NLP can make to parapsychology such as enlarging the dynamics’ understanding. Purported spontaneous psi studied by many authors seem to be consistent with the NLP presuppositions and also with NLP concepts of TOTEs, Logical Levels, Representational Systems and concepts such as Deletion, Distortion and Generalization and the Unified Theory for NLP.

INTRODUCTION:

What became known as NLP started with Richard Bandler in California in the mid 70’s. As he says, “I did not look for “what went wrong” or the “whys”. I did not look for cures. I looked at whatever worked, no matter how” (Bandler,2008). For him, “NLP is an attitude and a methodology that leaves behind a trail of techniques”(Hall and Bodenhamer,2008).

According to John Grinder, one of the co-founders of Neuro-Linguistic Programming (Hall & Bodenhammer, 2008), NLP is “an epistemology… it offers the opportunity to explore, it offers a set of path finding tools”. Later in their book Hall and Bodenhammer write: “The context of NLP concerns accessing the mindset, state and skills necessary for understanding and bringing about successful communication and personal change”. NLP has some presuppositions which, according to these authors, came “…from the theoretical underpinnings that were found in the systems that were modelled: gestalt psychology, family system therapy, Ericksonian hypnotic-medical communication, general semantics, cybernetics, information systems, transformational grammar, cognitive-behavioural psychology, and Batesonian anthropology”. O’Connor considers (2001) NLP to be the “study of excellence and the structure of the subjective experience”.

In the beginning of the 1990s I presented to the “psi community” a very modest model called the “psi defence mechanism” as part of a “system of integrated factors” which could function as an extension of ordinary psychological processes within purported spontaneous psi events (Carvalho 1992, 1994, 1995). I postulated that this could be triggered when the ordinary psychological defenses might fail. This model reinforces the previous ideas published by other authors who believe that psi experiences seem to be connected to psychological dynamics.

METHOD:

In a series of papers published in the Journal of the Society for Psychical Research and presented at parapsychological conferences, I presented many case studies illustrating what doday I would call the “early version” of this model (de Carvalho, 1992, 1994, 1995). In addition, I have personally observed clients (and research participants) while they related purported spontaneous psi events in their lives. Below I summarise some of these observations as the same time I start to correlate it with some of the NLP concepts and ideas which came from the evolution of the concepts early developed by Bandler and Grinder:

1 – These clients present a limiting and restrictive belief system about their identities and believe that the solution for their problems lie in people, entities, things and circumstances “outside” themselves (such as spirits, God, discarnate entities).

2 – The belief system in which they had been immersed (familial, cultural, religious) supports and even provide theology, metaphors and symbolism that serve as references or even as models so that the clients can find resonance with their personal dynamics justifying events considered “fragile” and “problematic”. That belief system assumes that manifestations that transcend human competencies (e.g. spiritual agencies) can interfere in human interactions with different purposes.

3 – I could notice something dimilar to observations that were made by Ehrenwald (1977), in which some clients who I studied could have produced such manifestations while working with me due to transference, perhaps in search of my approval regarding their dynamics. In some cases this was immediately obvious to me. In other cases, I became aware of it over the course of the therapeutic sessions.

4 – Clients in my case studies were often involved in practices considered “favourable to psi manifestations” (religious trances, meditation, self-hypnosis etc.). NLP trance states are ways to gain access to unconscious resources. Could psi states be unconscious resources that are triggered in order to restore balance to the system (what NLP calls internal ecology)?

Some clients believe in “spiritual guides”. In NLP one could interpret the guides as NLP “parts”. For Tad James (2004), “Parts are part of the unconscious with a purpose/intention and a function/behaviour. They are functionally detached, always represent minor personalities, meaningful people (imprinted), some believe to be managing the system to protect (and continue) a non-integrated behaviour”. Parts as “spiritual guides” could have helped to structure the motivational meaning that justifies the strategy dynamics, creating a “state” favourable to purported psi experiences. NLP elicits people’s strategies to produce something. Now it seems that my earlier studies were already “mapping” a systemic strategy which at one time I have called a “system of integrated factors” (Carvalho, 1995) which the dynamics seem to be consisted with Dilt’s “Field Mind” for NLP (2011).

Considering Rex Stanford’s the PMIR (Psi-Mediated Instrumental Response) the “psi responses” that I have suggested in the cases could be seen as instrumental strategies that would keep the person congruent with the beliefs, values and rules that are associated with the system in which they were operating (NLP TOTE). In this specific case we could be observing a “PMIR TOTE”.

CONCLUSION:

An analysis of the case studies that I have published (Carvalho, 1992, 1994, 1995) when compared with some of the basic presuppositions of NLP (O’Connor, 2003) reveals:

1 – Clients responded to the meaning of their experience and not to reality itself (To NLP, “People respond to their experience and not to reality itself”).

2 – Clients made choices and used elements that they had at their disposal to find a way to deal with limiting threats (To NLP: ‘having one option or choice is better than not having any choice”, and “people make the best choice that they are capable of making at any given moment”).

3 – PMIRs and spontaneous psi events are responses that “differ from the ordinary” although they may be context-congruent. That demands flexibility (To NLP: “The person with the most flexibility exercises the most influence in the system”).

4 – Following some spontaneous psi experiences, clients seem to reorganize their lives. The purported psi events had some deep meaning, changed something, and somehow influenced the situation’s dynamics. Within the NLP perspective, this reorganization could have happened in the client’s TOTEs (Test, Operation, Test, Exit) a mechanism which keeps what I would now call “Psi Neuro-linguistic Strategy” (PNS). Operating the established TOTE seems to have restored enough inner and outer balance to the subjects, somehow adapting or readapting them to the systems’ demands (NLP presuppositions: the unconscious mind counterbalances the conscious mind, the person is part of a system, and, all communication should increase choice).

5 – The religious or social context supports the meaning developed by the clients, enabling the expression of inner dynamics. In other words, they could explain themselves through religious/culture presuppositions and accept that as a part of their theology or belief system. It is helpful if purported psi events are not labelled as “weird” or are regarded as a taboo, but instead come to be viewed as something with a very special meaning – sometimes for a whole community (To NLP: “The meaning of the communication isn’t just what you aim for, but the response that you obtain”; “modelling successful performance leads to excellence”, and, “if you want to understand something you take action”). Joining a religious practice opened to psi is a way of “take action”.

6 – Clients seem to have an unconscious strategy for dealing with and managing limiting questions (To NLP: “All behaviours have a positive intention”, “all actions have a purpose”, “we already have all the resources that we need or we can create them” and “mind and body create a system, and we process all the information through our senses”).

7 – In my case study, clients manifested limiting and immature beliefs, dissociated and unconscious presupposing of some kind of “restriction”. This demand at the conscious level seems to create a need to control meaningful events because it was learned as something considered to be “important” (what NLP calls “positive intention”), and functions to maintain the client’s balance or internal ecology. In the experiences in which purported psi could be operating, a limiting and resource-less TOTE (Test, Operation, Test, Exit) keeps running over and over. Altough “immature” to some clients, in the field or system’s perspective it turned aout to be a “mature” solution so that it (the established system) could keep on existing and functioning. Additional presuppositions of NLP supporting that are, “the one who sets the frame for the communication controls the action” and “meaning operates context-dependently” (Hall & Bodenhamer, 2008).

DISCUSSION:

PARAPSYCHOLOGY, NLP, AND SUBJECTIVE EXPERIENCES

Richard Bandler wrote recently (2008b) “Early in my work, I realized that people get themselves into trouble because they engage in habitual behaviour that keeps looping”. Observations with purported spontaneous psi suggests that somehow subjects seem follow a psychodynamic pattern that keeps operating consistent to their beliefs and structured TOTEs.

Even considering the hypothesis of “Extrasensory Perception”, assumes that it is “translated” to the senses via language. NLP states that the Representational Systems can be visual, auditory, auditory digital, kinaesthetic, olfactory, and/or gustatory). Sometimes people’s reports of purported psi events (spontaneous or in laboratory experiences utilizing Ganzfeld, remote viewing, or dream telepathy) involve “seeing images”, “hearing voices” and “feeling things” inside or outside of their minds. For example, the work of Louisa E. Rhine (1983), which examines the various manifestations of purported spontaneous psi (realistic and unrealistic dreams, intuitions, and hallucinatory experiences), reinforces the NLP model (both internal and external) being used in this psi process. This is related to the phenomena described by NLP as DELETION, GENERALIZATION and DISTORTION. For example, unrealistic dreams seem to be more distorted than realistic dream reports. Hallucinatory experiences seem to be external experiences, and spontaneous PK phenomena could be distortions of physical energy.

NLP techniques can help parapsychology better understand their participants. Experiments could be designed based on Representational Systems preferences and perhaps the results would increase if we applied visual stimuli to visual participants, and likewise, kinaesthetic stimuli to kinaesthetic people. There also is a need to work with sub-modalities (specific ways a participant deals with a specific representational system such as colour, size, or dimension).

From an NLP perspective, participants who have demonstrated psi either from purported spontaneous experiences as well as from experimental research could be modelled. For example, they may have been running an entire unconscious strategy to produce the purported psi events. These strategies could be taught to new participants. These strategies would include many activities studied by NLP, and can also be found in my studies, as well as Louisa Rhine’s cases, and others that represent a strategy of modelling picked up from family members and/or through culture. My case studies suggest generations in the same family reporting apparent psi events. Their conscious and unconscious strategies could be identified and used for modelling. However this modelling might also include Neuro-linguistic strategies such as beliefs, use of representational systems and sub-modalities, processes of distortion, deletion and generalization operating in a TOTE help to keep the process running and functioning.

One of the greatest developers of NLP, Robert Dilts, proposed a theory of unified fields for NLP (Dilts & DeLozier, 2000) in which he considered the Overall Problem Space within which change takes place (SOAR Model), The Path of Change to be Undertaken (SCORE model), the Fundamental Feedback Loop by which the steps in the Path of Change are Accomplished (TOTE model), and the specific Cognitive Processes, Linguistic Patterns and Physical Cues that are the “Neurolinguistic Operators” through which the Steps of the Path are represented and Implemented. In the cases that I have reported, the client’s dynamics fulfil many if not all the NLP models that compose this generative theory. If a correlation between the NLP model and psi research results is confirmed, it might enrich future investigations, experimental design, and observations, which in turn, could contribute to greater replication rates and perhaps even psi training. The SOAR model, for example, relates logical levels (environment, behaviour, capabilities, beliefs and values, identity, and system) to how a person perceives him or herself relating to others (NLP Perceptual Positions) – including time zones (future, present, past). When psi is involved, it may lend meaning to the unconscious processes that produce telepathy, precognition, and clairvoyance, enabling a real step into different time zones, not just psychological representations as regularly developed by NLP. Maybe a “specialized” type of NLP that deals with psi phenomena could be termed PARA NLP (Para Neuro-Linguistic Programming).

As for the purported psi experiences about which I and others have published, we can see that the frameworks of religion and culture support the “extraordinary” appellation (Gods, spirits, etc.). It needs to produce people capable of manifesting some gifts in a way consistent to the culture belief’s and religious stereotypes. This could explain why people often are reported manifesting purported psi “mixed” with their religious or cultural standards. Psi experiences of people who are born in cultures that have those “collective demands” could account for the fact that many people who are not directly involved with the rituals are manifesting psi, because it is also part of a systemic process which is inserted in everyday social and family routines and dynamics.

Dilts (2011 P.243) points to what he describe to be the “Field Mind” as part of the “3rd Generation of NLP”. It “is essentially a type of space or energy produced by relationships and interactions within a system of individuals… relationship itself is a “third entity” generated between those involved… the relationship becomes a container that holds, processes and evolve the thoughts, emotions and experiences of those involved”. My case studies as well as other researcher’s point to a systemic of “field” interaction process because what happens relate not just to a subject experiencing purported psi but to the whole system or field in which he or she is inserted. This “Field Mind” interacts with the “Somatic” and “Cognitive” minds (Dilts 2011) creating the “structure of subjective experiences”. In my studies there were intense correlation between field, body manifestations (trances, symptoms) and cognitive processes, supporting Dilt’s description being accurate in the purported spontaneous psi dynamics. Parapsychology could contribute to The 3rd Generation of NLP suggesting a “Psi Mind” and a “Psi Field”.

At the same time that the purported spontaneous psi phenomena participants attend to their own demands through their strategies, they also attend to a systemic demand, because as NLP states, we are all part of a system.

REFERENCES

Bandler, R. (2008). Get the life you want. The Secrets of Quick and Lasting
Life Change with Neuro-Linguistic Programming. FL. Health
Communication, Inc.

Bandler,R. (2008b). Richard Bandler’s Guide to Trance –Formations. Make your
Life Great. FL. Health Communication, Inc.

Carvalho, A.P. de (1992). Mediumship, psychodynamics and ESP: The case of Cristina. Journal of the Society for Psychical Research, 60, 29-37.

Carvalho, A.P. de (1994). Some socio-psychological aspects of psi. Journal of the Society for Psychical Research, 59, 364-367.

Carvalho, A.P. de (1995). The emergency of the ‘System of Integrated Factors’. Journal of the Society for Psychical Research, 60,., pp?

Dilts, R and DeLouzier, J, (2011). NLP II The Next Generation. Enriching the
Study of the Structure of Subjective Experience. California, Meta
Publications.

Dilts, R., & DeLouzier, J. (2000). Encyclopedia of systemic Neuro-Linguistic Programming and new coding. Los Angeles: NLP University Press.

Ehrenwald, J. (1952). New dimensions of deep analysis. New York: Grune & Stratton.

Ehrenwald, J. (1977). Therapeutic applications. In S. Krippner (Ed.), Advances in parapsychological research, vol.1 (pp. 133-148). New York: Plenum.

Hall, L.M., & Bodenhamer, B.G. (2008). The user’s manual for the brain. Wales, UK: Crown House.

James, T. (2004). The accelerated Neuro-Linguistic Programming master practitioner certification training. Available from: http://www.nlp.com.

Krippner, S., & Carvalho, A.P. de (1998). Sonhos exóticos. São Paulo: Summus Editorial.

O’Connor, J. (2003). Manual de programação Neurolinguística. Rio de Janeiro: Editorial Quality Mark.

Stanford, R.G. (1990). An experimentally testable model for spontaneous psi events. In S. Krippner (Ed.), Advances in parapsychological research, vol. 6 (pp. 54-167). Jefferson, NC: McFarland.
Rhine, L.E. (1983). The Invisible Picture. A Study of Psychic Experiences. Jefferson,NC.: McFarland.

8


Guru Sai Baba Falece na India (24 de Abril, 2011)

abril 27, 2011

Por Tony D’Andrea

sathya_sai_babaO guru Sathya Sai Baba, venerado por milhões de pessoas em todo o mundo, morreu neste domingo (24 de abril, 2011). Ele estava internado no Instituto de Ciências Médicas Sri Sathya Sai fundado por ele, perto de Bangalore, onde ele passou as últimas semanas com apoio de respiração e diálise. Com 84 anos, Sai Baba foi o último guru que emergiu do movimento de invasão hippie da Índia dos anos 1970.

A notícia trouxe uma onda de tristeza na Índia, incluindo ministros e celebridades, que lembram dele como uma pessoa caridosa que trabalhava abnegadamente para ajudar os outros, com os bilhões de dólares doados para o seu fundo de caridade. Centenas de milhares de pessoas prestaram sua última homenagem em Puttaparti, onde um funeral com honras de Estado ocorreu na quarta-feira. A polícia manteve um controle  sobre o tráfego rodoviário e as multidões. O comércio foi orientado a fechar, para limitar o número de pessoas na cidade.

A televisão indiana cobriu o evento sem parar. Autoridades e celebridades manifestaram tristeza sobre uma “perda irreparável”. “Sri Satya Sai Baba é um líder espiritual que inspirou milhões de pessoas a levar uma vida moral e significativa”, o primeiro-ministro Manmohan Singh. “A nação lamenta profundamente o seu falecimento.” Estado de Andhra Pradesh declarou quatro dias de luto, onde Sai Baba e’ considerado “um símbolo de amor, carinho e paixão.” “Sri Satya Sai Baba tem dado grande serviço ‘a humanidade”, outro ministro de estado disse.

Nascido 23 de novembro de 1926, como Sathyanarayana Raju, diz-se que Sai Baba era uma criança com tendências para a espiritualidade e inteligência fora do comum, que ele expressava através da música, dança, poesias e peças teatrais. Em 1940, na idade de 14 anos, ele se declarou um “avatar”: a reencarnação de um outro homem sagrado hindu chamado Sai Baba de Shirdi (no Estado de Maharashtra) falecido em 1918.

Comum nas trajetórias de “export gurus” popularizados no ocidente, Sai Baba atraiu muitos seguidores indianos e estrangeiros. A sua casa transformou a pequena vila de Puttaparti em uma vibrante cidade. O “Prasanthi Nilayam” se centra no ashram construído em 1950, evoluindo para incluir um grande hospital, uma universidade e as escolas dirigidas pelo Satya Sai Central Trust, criada em 1972 através de doações.

A sua fortuna – estimada em 9 bilhões dólares – também estabeleceu centros espirituais em Mumbai, Hyderabad e Chennai. Ele construiu outro hospital em Bangalore, onde ele tinha uma casa de verão, e também financiou projetos de abastecimento de água em vários estados do sul. Não se sabe ainda como os espólios do fundo serão usados.

Problemas de saúde nos últimos anos obrigou Sai Baba a reduzir aparições públicas. Ele sobreviveu um derrame cerebral e ataques cardíacos em 1963. Em 2005, ele passou a usar uma cadeira de rodas, e um ano depois, ele fraturou o quadril ao cair de uma cadeira. Os administradores do ashram afirmam que Sai Baba sobreviveu um atentado, matando seis devotos, incluindo o assistente pessoal do guru morto em seu quarto, em Junho de 1993. Fatos do caso ainda permanecem um mistério.

Sai Baba teve uma repercussão enorme, com ashrams em mais de 126 países, incluindo políticos, estrelas de cinema, atletas e industriais. Diz-se que ele fez milagres, materializando jóias, relógios Rolex e “vibhuti” – uma cinza sagrada aplicado às testas dos seguidores, tirada de seu halo de cabelo crespos.

Contudo, ele também foi envolvido em controvérsias, com várias alegações de abuso sexual e falsos milagres. Críticos racionalistas lideraram campanhas contra Sai Baba, chamando-o de charlatão. Há acusações que ele abusou sexualmente devotos – que ela nega como campanhas de difamação. Um programa da BBC em 2004 chamado “Secret Swami” apresenta entrevistas com dois americanos que afirmam que o guru tinha os acariciado sexualmente, se expondo desnudo, alegando que era parte de um ritual de cura. Embora ele tenha negado todas as acusações e nunca foi acusado de nenhum crime, os relatórios levaram vários seguidores a romper com o guru.

Muitos “gurus export” sao acusados, as vezes injustamente, de abusos financeiros, sexuais e de lavagem cerebral. Krishnamurti, Osho e Sai Baba sao casos famosos nesta historia. Uma diferenca e’ que Osho nunca negou a sexualidade como dimensao importante da existencia (tendo secretamente namorado assistentes). Mas com a morte de Sai Baba, termina um linha de gurus que ganharam fama no esteio do movimento contracultural dos anos 60. Muitos hippies e buscadores espirituais no ocidente “invadiram” a India, inadvertidamente gerando uma industria de turismo espiritual, onde modestas cabanas se transformaram hoje em resortes espirituais cinco estrelas. Os melhores exemplos da nova geração de gurus exportação e’ o Sri Ravi Shankar do Art of Living Foundation, e a jovem Gurumayi do Siddha Yoga Foundation, jet-setting entre seus ashrams na região de Nova York e Mumbai.


Mediunidade, Psicodinâmica e PES: O Caso de Cristina

março 21, 2011

por André Percia de Carvalho e Claudia Escorio G. do Amaral

RESUMO

Nós acreditamos que fatores psicológicos, sociais e culturais em uma médium chamada ‘Cristina’ poderiam esclarecer seus fenômenos psi. Um estudo de seu caso revelou a existência de conflitos não resolvidos da infância, os quais parecem ser relembrados quando ela se depara com um ambiente ameaçador. Esta situação pode ter provocado um rompimento da estrutura da personalidade de Cristina. Observou-se uso de diversos mecanismos de defesa para melhorar esta situação, alguns deles sendo apoiados por crenças culturais e religiosas. Estas defesas, no entanto, não eram fortes o suficiente para proteger Cristina desta situação ameaçadora. Nesse momento, psi parece emergir buscando fornecer informações paranormais de modo a sustentar sua crença cultural e religiosa e permitir que os seus mecanismos de defesa sustentassem um pseudo-equilíbrio que evitasse o rompimento completo de sua personalidade. Ao final ocorreu o desenvolvimento do que os autores denominaram um ‘Mecanismo de Defesa Paranormal’ concomitante à ‘Neurose Psi’. Nossos estudos parecem apoiar a hipótese PMIR de Stanford (Resposta Instrumental Mediada por Psi) de interações psi necessárias ou relevantes bem como reforçar resultados experimentais em psi sobre estados alterados de consciência e sobre a importância da crença para a sua ocorrência.

Em termos simples, a mediunidade pode ser definida como a alegada capacidade de uma pessoa viva de estabelecer uma comunicação com uma ou mais pessoas falecidas (isto é, ‘espíritos’). Há a crença entre os espiritualistas de que esta capacidade permite a um médium se tornar ciente de uma informação a qual ele ou ela não poderia saber por meios normais, assumindo que os espíritos envolvidos tinham acesso a essa informação.

O desenvolvimento da fisiologia, da psicologia e da parapsicologia colocou em xeque estas suposições espiritualistas ao fornecer explanações alternativas. Primeiramente, todos os processos ordinários, por exemplo, a percepção subliminal, a criptomnésia, devem ser eliminados, embora não seja fácil eliminá-los em se tratando de casos espontâneos. Segundo, mesmo que nós possamos eliminar todos os processos normais possíveis ainda existem diversas explanações alternativas a respeito de como a informação poderia ter sido obtida e espíritos é somente uma delas.

A médium a quem nós estamos chamando de ‘Cristina’ parecia apresentar ocorrências espontâneas ostensivas de psi, que foram observadas sob circunstâncias não controladas. Apesar disso, os vários fatores psicológicos, sociais e culturais que pareceram operar neste caso poderiam ser testados em situações experimentais futuras ou durante a investigação de casos espontâneos. O autor sênior (APC) descreveu a situação de vida de Cristina, bem como as suas aparentes ocorrências de psi. A autora júnior (CEA) conduziu as entrevistas clínicas e os testes psicológicos (depois dos quais ela não teve mais nenhum contato com Cristina). Ambos os autores desenvolveram as interpretações dos testes e as considerações teóricas.

CRISTINA

Na época em que eu (APC) escrevi originalmente este artigo (Carvalho, 1991) Cristina tinha 43 anos. Eu a conheço e à sua família desde a minha infância, e naquela época testemunhei diversos fenômenos ostensivos de PES em sua presença. Embora Cristina fosse tradicionalmente católica, tanto a sua mãe quanto a sua avó eram médiuns, embora nunca tenham pertencido a um grupo espiritualista. A mediunidade delas começou espontaneamente e, com o passar dos anos, relataram muitas experiências de PES espontâneas. Tanto Cristina quanto sua mãe me disseram que costumavam se comunicar com os espíritos quando havia alguns problemas na família, quando um amigo estava em dificuldades ou quando algum incidente da vida era de crucial importância para as três.

Quando os ‘espíritos’ estavam pretensamente se comunicando, as três médiuns alegavam entrar em um estado alterado de consciência, quando os seus corpos começavam a produzir movimentos involuntários tais como movimentos rápidos dos olhos. Era então que manifestavam algumas elocuções e maneirismos pessoais dos espíritos. Eu (APC) tive oportunidade de observar este processo diversas vezes. Cristina, quando possuída por um espírito, costumava agitar-se tão violentamente que caía freqüentemente no chão.

Desde que ela era muito jovem, atribuía-se a Cristina várias ocorrências de PES espontâneas, que a permitiam ter acesso a informações por meios não-ordinários. A maioria delas envolvia seus filhos, marido e membros da família com quem ela tinha um vínculo emocional.

Por volta dos 38 anos, Cristina se encontrou com diversas pessoas de grupos afro-brasileiros (Candomblé, Umbanda), que lhe disseram que podiam observar diversos espíritos em torno dela e que estes espíritos queriam se comunicar com ela e com sua família. Nós devemos lembrar que, quando o Brasil era uma colônia de Portugal, os portugueses trouxeram milhões de africanos para trabalhar como escravos. Estes escravos mantiveram suas crenças nos espíritos e disseminaram mais tarde estas idéias uma vez que a escravidão foi abolida. Assim, o Candomblé retém muito dos rituais e das crenças africanas; a Umbanda é um movimento dissidente.

Os médiuns de ambos os grupos alegam ser possuídos por uma variedade de espíritos e quando tal processo ocorre geralmente assumem as características e os comportamentos alegados daqueles espíritos. Uma vez que Cristina tinha identificado os seus próprios espíritos-guia, ela os invocava com freqüência para ajudá-la, e de acordo com seu sistema de crença eles podiam fornecer informações detalhadas sobre determinados incidentes de vida, alguns dos quais ela não tinham nenhum conhecimento precedente.

Agora descreverei diversas ocorrências que testemunhei pessoalmente.

Evento 1

Em uma tarde de 1987, Carlos, um amigo meu, convidou a mim e a Cristina para uma sessão espírita. Quando nós chegamos ao apartamento onde o evento deveria ocorrer, percebi que não conhecíamos nenhuma das outras pessoas presentes. Antes da sessão, Cristina, que estava sentada ao meu lado, disse-me que um de suas guias espirituais (uma cigana) estava tentando se comunicar, e ela começou a exibir um comportamento tal como tremores corporais e movimentos das pálpebras. De repente, Cristina se levantou, andou pela sala de estar e sentou-se ao lado de um homem, Renato, que tinha aproximadamente 50 anos de idade. Ele era um amigo da família que possuía o apartamento mas era um estranho para Cristina e para mim. Cristina começou a fornecer informações detalhadas sobre a vida dele as quais depois ele confirmou serem corretas, por exemplo:

1. Uma descrição detalhada da esposa de Renato, a quem Cristina descreveu como uma mulher atarracada, com uma maneira muito agressiva de lidar com as pessoas, e que freqüentemente caía doente na cama.

2. Que Renato tinha um filho de 13 anos de idade, a quem ela via como exibindo um comportamento problemático, incluindo o uso de maconha e cocaína. Estes detalhes foram confirmados por Renato.

3. Cristina ‘viu’ Renato se submeter a uma cirurgia do coração. Ela disse que isto tinha ocorrido uns 18 meses antes e, depois, ele nos mostrou as cicatrizes.

4. Cristina descreveu uma mulher de meia idade com cabelo preto e disse que ela era a amante de Renato. Ela viu esta mulher freqüentar os rituais da Umbanda destinados a causar dano à esposa de Renato. Outra vez, Renato confirmou a exatidão do relato.

É importante enfatizar que Renato nada sabia sobre a mediunidade de Cristina. Desde o momento em que chegamos, ele estava sentado isolado de todos os demais e não disse nada além de “Olá, fico feliz em conhecê-los” quando nos foi apresentado. Durante as declarações de Cristina sobre a sua vida, ele manteve-se em silêncio, olhando fixamente para ela, e parecia intrigado. Alguns dias mais tarde, Renato me ligou. Ele estava impressionado com a detalhada descrição de Cristina de sua vida particular e me perguntou se eu poderia pô-lo em contato com ela. Ele queria remunerar-lhe os serviços com dólares americanos, esperando que mais detalhes surgissem. Eu agiria como intermediário, mas antes de dar-lhe o número de Cristina liguei para ela. Ela recusou, dizendo que não queria se transformar em uma “psíquica profissional”.

A informação fornecida por Cristina e confirmada por Renato obteve confirmação adicional por Carlos, que visitou o lar de Renato diversas vezes após a sessão em que Cristina e Renato se encontraram pela primeira vez. Durante uma entrevista, Cristina me disse que antes que ela começasse a falar nesse dia, ela sentiu que Renato necessitava de ajuda.

Evento 2

Em junho de 1991 eu passei um mês na Europa. Durante o assim chamado ‘Dia de Portugal’ (um feriado nacional), meu grupo decidiu visitar vários locais perto de Lisboa. Havia quatro de nós: dois amigos portugueses, o filho de Cristina (que também compareceu à conferência) e eu mesmo. Não seguimos nenhuma rota específica, mas visitamos primeiramente um bonito parque verde no distrito de Sintra. Lá observamos algumas crianças brincando em um grande jardim e passamos diversos minutos falando sobre uma planta que se assemelhava a uma galinha ou a um pássaro. Logo após isso fomos ao Cabo da Roca (o ponto mais a ocidente da Europa Continental), onde decidimos comprar alguns presentes para as nossas famílias. Naquela noite, o filho de Cristina e eu decidimos ligar para casa como era nosso costume pelo menos uma vez por semana.

Minha mãe me disse que Cristina visitou-a nesse dia. Subitamente, um dos guias espirituais de Cristina, uma menininha chamada ‘Mariazinha da Praia’ emergiu e disse que seus filhos estavam em um lindo jardim com alguns amigos olhando para um pássaro bonito e que falavam sobre ele. De acordo com a minha mãe, Cristina permaneceu nesse estado por mais de uma hora e meia falando sobre outras coisas e então, de repente, ela disse: “Seu filho está agora em algum outro lugar. Há água . . . um grande mar . . . oh, ele está comprando alguns presentes para você!” É importante dizer que as nossas famílias nunca tinham visitado Portugal, e elas não sabiam sobre o feriado nacional ou os nossos planos para o feriado, planos estes que sequer haviam sido mencionados quando saímos de Lisboa. Nós quatro tínhamos permanecido juntos.

Evento 3

Em um domingo de maio de 1988, eu estava em casa com os meus pais quando Cristina veio para uma visita. Cerca de uma hora e meia após a sua chegada, Cristina inesperadamente interrompeu a agradável conversa que vínhamos tendo e se levantou. Ela começou a apresentar uma tremulação intensa das pálpebras, seus batimentos cardíacos se aceleraram e seu corpo tremia. Então ela voltou-se para mim e disse: “André, eu sinto que alguém está muito nervoso e que está pensando muito em você. Essa pessoa necessita de sua ajuda.” Cristina aos poucos se acalmou e voltamos ao tema da conversa de antes. Uns vinte minutos mais tarde, uma amiga minha ligou. Ela estava muito chateada porque o seu jovem filho tinha acabado de sofrer um acidente e estava prestes a se submeter a uma operação cirúrgica complicada. Como o pai do menino estava em uma viagem de negócios, ela achou que a minha família poderia lhe dar algum apoio. Preciso dizer que Cristina jamais tinha se encontrado esta minha amiga.

Evento 4

Em um sábado de junho de 1988, eu estava na casa de Cristina tendo uma conversa com o seu filho. Ela estava dormindo em sua poltrona na sala de estar. Subitamente ouvimos o ritmo de sua respiração mudar e, quando nos aproximamos dela para observar, vimos que ela estava com os olhos fechados e pressionava as mãos de encontro ao peito, como se sentisse uma forte dor no coração. O marido de Cristina chegou e pensou que Cristina tinha tido um ataque cardíaco. Uns trinta minutos mais tarde, o telefone tocou e fomos informados que o tio de Cristina havia acabado de morrer de um ataque do coração. Ela era muito chegada a ele, embora este tio vivesse em outra cidade. Como um amigo da família de Cristina, fui com eles na viagem até o funeral. Assim que nos encontramos com a tia de Cristina, ela explicou como o seu marido tinha morrido. Primeiro ele havia começado a respirar de uma forma irregular, e então sentiu uma forte dor no coração.

ESTUDO PSICOLÓGICO DO CASO

Uma vez que decidimos explorar como os possíveis processos de psi podiam formar a uma parte dos eventos da vida de Cristina, suspeitamos que uma única série de psicodinâmicas poderia estar operando. Assim resolvemos:

1. Entrevistar a mãe de Cristina.

2. Administrar o teste dos Borrões de Rorschach e o teste CAP (Casa-Árvore-Pessoa).

3. Realizar observações no lar de Cristina.

4. Formular um diagnóstico psicológico.

5. Formular uma hipótese psicodinâmica quanto às pretensas ocorrências de psi.

6. Dar a Cristina o feedback relevante.

Todas as entrevistas psicológicas foram conduzidas em nosso Instituto de Parapsicologia e Clínica Psicológica, ‘Com Ciência’. Os testes de Rorschach e CAP foram devidamente corrigidos de acordo com os padrões internacionais.

Um de nós (CEA) escreveu um relatório formal em que se afirma que a pessoa examinada era uma mulher de 44 anos pertencente à classe média alta brasileira. Ela era casada com um homem de 48 anos e tinham um apartamento, um carro e duas crianças: um filho de 22 anos e uma filha de 20. Ela trabalhava meio expediente como uma professora de aeróbica em uma popular estação de saúde na cidade.

Anamnese (História Passada)

De acordo com a mãe, Cristina nasceu de parto normal sem complicações; ela foi a segunda de seis crianças, tendo elas a seguinte idade na época do estudo: um irmão mais velho de 47 anos, a própria Cristina com 44, um irmão com 40, outro irmão com 37, uma irmã de 34 e a irmã caçula com 32. A lactação veio devidamente após o nascimento de Cristina. Ela aceitava o peito facilmente e foi amamentada até os 3 meses, quando sua mãe decidiu que ela já era velha o bastante para ser desmamada. Ela nunca foi relutante em tentar novas variedades de alimento.

O desenvolvimento das habilidades motoras de Cristina pode ser considerado normal. Embora ela exibisse micção noturna até os 12 anos, os seus pais não prestaram muita atenção nisso porque nunca acharam que fosse um comportamento anormal. Durante a infância Cristina contraiu rubéola, tendo ficado míope embora raramente usasse óculos.

A mãe de Cristina disse que ela se dava bem com seus irmãos e irmãs. Quando criança ela era bem atrevida porque vivia cercada principalmente pelos irmãos.

Cristina teve um relacionamento muito próximo com o pai. Ele era um tanto autoritário e usava de força física para impor os seus desejos. Cristina chorava muito quando era punida por ele, mas chorava também se fosse punida por sua mãe. Seu pai a protegia mesmo depois de ela ter-se casado. Cristina tem um bom relacionamento com a mãe, a quem ela considera uma pessoa calma e paciente.

Com 20 anos, Cristina casou-se com um homem de 24. Ela ficou grávida quatro vezes, sendo duas mal sucedidas. Ela sofreu um aborto depois que a primeira criança nasceu e estava com rubéola durante a quarta gravidez, sofrendo um aborto.

Ao longo dos anos, Cristina submeteu-se diversas vezes a cirurgias, por exemplo, de apendicite, laqueadura, cirurgia no peito para a remoção de cistos e cirurgia plástica em seus peitos, rosto e nariz.

Os pais de Cristina estavam sempre por perto durante a sua vida de casada. O pai interferia às vezes nas discordâncias do casal, ficando freqüentemente do lado de Cristina. Os pais também se empenhavam em satisfazer todos os desejos dos seus netos. Quando ela contava 38 anos, seu pai morreu e esta foi uma grande perda para ela, já que eles eram muito próximos. Foi então que ela começou a exibir um comportamento depressivo e sintomas psicossomáticos, incluindo os cistos em seus peitos, apatia e febres. Ela sonhou com ele freqüentemente por quase um ano. Em um de seus sonhos, seu pai lhe disse que queria levá-la para o seu mundo, mas no sonho ela respondeu que precisava viver a sua própria vida. Depois ela começou a superar sua depressão, embora mesmo agora ela ache difícil viver sem o seu auxílio.

Ainda que Cristina descrevesse o seu relacionamento com o marido como “bom”, uma certa dificuldade em mostrar afeição mútua foi observada em sua vida diária.

Como mãe, Cristina disse que superprotegia os seus filhos como se eles fossem ainda muito jovens, tentando manipulá-los de modo que fizessem o que quer que ela acreditasse que fosse o melhor. Este comportamento é especialmente visível em seu relacionamento com o seu filho, embora Cristina seja ciente sobre a independência deles.

Na época em que este estudo foi conduzido, Cristina fumava muito e fazia uso de pílulas para dormir e para emagrecer regularmente.

A maioria dos amigos de Cristina se compõe dos assim chamados psíquicos profissionais ou de pessoas que acreditam no espiritualismo. Embora às vezes se comporte como uma médium, Cristina diz que não pertence a nenhuma religião e que simplesmente acredita em Deus. Apesar disso, Cristina comparece a diversos rituais religiosos, por exemplo missas católico-romanas e rituais afro-brasileiros. Ela freqüenta psíquicos profissionais regularmente, embora expresse uma forte preferência pelas religiões afro-brasileiras. Ela se sente motivada a se engajar em práticas religiosas quando acredita que os filhos ou o seu marido estão passando por problemas. Ela geralmente começa investigando o que parece estar acontecendo em suas vidas, ou por si própria ou com a ajuda de psíquicos profissionais. Ela desenvolveu o seu próprio código para a interpretação das cartas de um baralho comum, o qual ela usa para fins de adivinhação. Ela também aprendeu a interpretar as ‘cartas ciganas’, usando-as para obter informações sobre as pessoas que lhe são próximas e sobre situações importantes.

Quanto mais Cristina acredita que pode obter informações precisas desta forma, mais calma e mais auto-confiante ela se torna. Todas estas práticas ajudam a diminuir sua ansiedade e a aumentar a sua crença de que pode controlar e manipular o seu ambiente. Parece que seu status como uma médium excepcional é um modo pelo qual Cristina interage positivamente com a sua família e com o seu ambiente social, já que os seus conselhos são muito respeitados. Nós (APC e CEA) observamos freqüentemente as situações em que uma pessoa cética questionou as suas habilidades. Quando Cristina acha necessário responder, ela tenta fornecer informações detalhadas sobre a vida e o futuro dessa pessoa. Cristina acredita também que pode curar as pessoas usando suas ‘energias psíquicas’.

As práticas afro-brasileiras de Cristina estão muito distantes de sua formação católica. Entretanto, quando ela acredita que as suas habilidades psíquicas não são suficientes para resolver os seus próprios problemas, ela vai a rituais católicos. Este padrão de comportamento onde se busca conforto na Igreja Católica é algo que foi passado de geração a geração desde a sua bisavó.

Resultados do teste de Rorschach (por CEA)

[abreviado – Editor]

Cristina apresenta uma personalidade introspectiva, rica em fantasias que são vivenciadas estando ela desligada do mundo exterior. Ela demonstra uma tendência para voltar-se ao pensamento abstrato sob pressão e a ser concisa em suas afirmações. Ela também possui uma tendência a fazer generalizações, focando mais no contexto geral do que em detalhes. Seu potencial criativo é maior do que ela foi capaz de efetuar com realizações concretas. Falta-lhe concentração, o que resulta em um torpor associativo. Ela usa suas fantasias como um mecanismo de defesa que funciona como um contrapeso. Pode-se observar também alguns traços de histeria. Ela é sensível à autoridade e a figuras protetoras.

Resultados do Teste Casa, Árvore, Pessoa (por CEA)

[abreviado – Editor]

Ela tem dificuldade em lidar com a realidade externa e pode se comunicar socialmente somente de uma forma superficial. Ela é intencionalmente instável. Observou-se uma vida instintiva forte, bem como uma dificuldade em manter e equilibrar estes impulsos. Os impulsos são transferidos para o interior de fantasias intensas e por vezes dominarão o seu comportamento. A energia é voltada para manter os seus mecanismos de defesa operando. Alguns potenciais problemas psicossomáticos, tais como aqueles que resultam de forte ansiedade, foram observados, embora não afetassem a estrutura de seu ego ou de sua adaptatividade. Ela se identifica com o papel da mulher convencional. Há alguns impulsos sexuais e corporais fortes e um desejo de mostrar o seu próprio corpo. Ela demonstra certa dificuldade em lidar com a figura masculina e emprega mecanismos de defesa como a manipulação e a sedução.

Hipótese Psicodinâmica

[abreviado – Editor]

Os resultados dos testes confirmaram um padrão comportamental que nós já havíamos observado: Cristina tem pouca habilidade para lidar com frustrações; e isto foi reforçado pelo comportamento permissivo de seu pai, fazendo que cada desejo dela virasse realidade e protegendo-a de todas as formas possíveis de situações difíceis, tais como mortes e acidentes. Nós observamos que Cristina tende a reagir fortemente sempre que os eventos não se sucedem como ela tinha planejado ou desejado.

Nossa hipótese de trabalho começou no momento em que começamos a considerar a sua forte necessidade de evitar situações em que a estrutura de sua personalidade poderia se fragmentar. Ela faz isto ao focar em fatores externos para protegê-la, mas isso acarreta uma estagnação que danifica o seu desenvolvimento psicológico, impedindo uma confrontação direta com os acontecimentos pertinentes.

Nós acreditamos que as acuradas informações adquiridas por suas habilidades mediúnicas e psíquicas desempenhem um papel essencial no processo, ao reforçar seus mecanismos de defesa e ao ajudar a manter um pseudo-equilíbrio que dá coerência às suas atividades. Sendo capaz de profetizar eventos, Cristina tende a controlar o curso de sua vida atual bem como as principais ações da vida de seus familiares.

DISCUSSÃO

Apenas o uso de mecanismos de defesa, alguns dos quais apoiados por fatores culturais e religiosos, não é suficiente para impedir o ocasional rompimento da personalidade. Um exemplo: Cristina acredita que os seus ‘guias espirituais’ possam ajudá-la a superar as suas limitações. Esta opinião é reforçada pela negação de sua incapacidade em assumir o controle total de seu ambiente. Como mencionamos antes, quando forçada a enfrentar situações desagradáveis ou frustrantes, Cristina fica chateada e depressiva e desenvolve ocasionalmente sintomas psicossomáticos.

Neste momento, acreditamos que poderiam emergir os presumidos fenômenos psíquicos, fornecendo feedback que reforça as suas crenças pessoais, culturais e religiosas, mantendo assim os seus mecanismos de defesa. Consideremos, por exemplo, o seu aparente conhecimento das atividades do seu filho em Portugal. Estar separada de seu filho e não ter nenhum controle sobre seu comportamento, controle este que ela tenta exercer quando ele está por perto, gera tensão e ansiedade.

Embora pareça provável que alguns fenômenos psi autênticos estejam ocorrendo, acreditamos que algumas das informações exatas fornecidas por Cristina poderiam ser explicadas com base em sugestões sensoriais, percepção subliminal ou, certamente, em processos cognitivos ordinários. Mas esta conclusão não dever ser nenhuma surpresa, pois uma pessoa com uma condição histérica pode agir como psíquica sem realmente apresentar nenhum fenômeno autêntico de psi. A dificuldade de Cristina em desenvolver relacionamentos interpessoais regulares pode ter contribuído para uma aparente tendência inconsciente em preferir interações psíquicas usando aquelas que são apoiadas pela crença cultural local.

A seguir estão aspectos de atividades mediúnicas no Brasil que podem bem ser condutivos para a emergência de psi genuína, já que são bem conhecidos serem condutivos de psi em experimentos controlados:

1 Antes de contatar os espíritos, alguns médiuns entram em um estado alterado de consciência e permanecem nesta condição enquanto recebem informações aparentemente dos espíritos. Do mesmo modo, há evidência experimental de que tais estados alterados de consciência podem intensificar as ocorrências de psi (Palmer, Honorton & Utts, 1989).

2 Há também uma significativa evidência experimental de que a crença em psi tende a intensificar suas ocorrências (Palmer, Honorton & Utts, 1989). Entre os grupos religiosos no Brasil o conceito de psi é ausente, mas há uma forte crença de que as informações paranormais podem ser obtidas dos espíritos, de Deus, etc., e de que elas podem ajudar as pessoas a resolverem os seus problemas pessoais. Na recente revisão de sua teoria da PMIR (Resposta Instrumental Mediada por Psi), Rex Stanford (1990) descreve algumas características da PMIR que são relevantes para o caso de Cristina. Assim, ele escreve: “Através de psi o organismo pode responder às circunstâncias em seu ambiente das quais não tem qualquer conhecimento sensorial. . . . As respostas mediadas por psi que o organismo faz tendem a servir às necessidades ou a refletir as inclinações desse organismo com respeito às circunstâncias acima mencionadas.” Ele continua: “. . . a força da tendência para produzir a resposta mediada por psi está relacionada direta e positivamente (a) à centralidade e à força da(s) necessidade(s) ou da(s) disposição(ões) que tenham relevância para as circunstâncias acessadas por psi, (b) ao grau de importância do objeto ou evento necessário/relevante, e (c) à escassez de tempo do potencial encontro com o objeto ou o evento necessário/relevante.” Aqui indicamos que Cristina parece usar psi para sustentar o seu comportamento defensivo durante situações que sejam necessárias/relevantes mas as quais ela não pode exercer o seu habitual controle.

Agora gostaríamos de sugerir a existência de um fenômeno que escolhemos chamar como ‘Mecanismo de Defesa Paranormal’ (MDP). Este MDP seria uma extensão do mecanismo de defesa comum em que se observa uma diminuição na ansiedade e estratégias para controlá-la são criadas. No caso estudado, o MDP parece diminuir a ansiedade de Cristina. Os MDPs são uma característica do que poderíamos chamar de uma ‘Neurose Psi’. Isso poderia ser considerado como uma extensão da neurose ordinária de alguém em que psi é um importante elemento que dispara o processo. Elementos culturais tais como crenças religiosas em formas anômalas de obter informação (por exemplo, através da comunicação com os espíritos ou santos) podem ser importantes elementos neste processo, dando uma coerência cultural aceitável ao comportamento neurótico.

O caso de Cristina não é de nenhuma forma original. Nós ouvimos de diversos colegas sobre outros médiuns e praticantes espiritualistas cujas aparentes experiências espontâneas de psi estavam intimamente ligadas à sua psicodinâmica de forma muito semelhante. Em publicações precedentes (Carvalho, 1992), o autor sênior chamou atenção para o modo com que a atividade poltergeist pode servir para proteger ao agente e à sua família de danos psicológicos e físicos.

Os autores reconhecem prontamente que este artigo está baseado em não mais do que uma ‘hipótese de trabalho’; trabalhos adicionais serão necessários para confirmar este nosso modelo atual.

REFERÊNCIAS

Carvalho, A. P. de (1991) As casas mal-assombradas [haunted houses]. In Poltergeists. SP, Brazil: Ibrasa.

Carvalho, A. P. de (1992) A study of thirteen Brazilian poltergeist cases and a model to explain them. JSPR 58, 302-313.

Palmer, J., Honorton, C. and Utts, J. (1989) Reply to the National Research Council study on parapsychology. JASPR 83, 31-49.

Stanford, R. G. (1990) An experimentally testable model for spontaneous psi events, etc. In Krippner, S. (ed.) Advances in Parapsychological Research 6. Jefferson, NC: McFarland.

Referência original: De Carvalho, A. P., & Do Amaral, C. E. G. (1994). Mediumship, psychodynamics and ESP: the case of Cristina. Journal of the Society for Psychical Research, 60, 29-37.


Lista Voadores: Hipocrisia da “Nova” Espiritualidade

janeiro 11, 2011

A lista voadores é um exemplo da hipocrisia que vigora na nova espiritualidade brasileira. Dedicada a temas de projeção, ufologia e espiritismos sincréticos, a lista é controlada por um coletivo de moderadores (em especial Lazaro Freire) que não poupa esforços em bloquear opiniões divergentes e fazer prevalecer ‘as suas privilegiadamente.

Recebi uma resposta de baixíssimo calão do moderador da lista voadores (possivelmente do Sr. Freire) quando tentei postar minha opinião, de forma educada e racional, sobre as intervenções excessivas e vagas dos moderadores nas discussoes da lista.

Dei chance aos moderadores antes de expor pedagogicamente esta sujeira.  Solicitei esclarecimento, que não veio. Tentei contatar o padrinho da lista, o espiritualista Wagner Borges, que não respondeu até o momento. A correspondência, assim, se revela abaixo.

Aviso ao leitor que trata-se de um email de negativo, agressivo, com varios palavrões e ofensas, inadmissível do ponto de vista etico ou profissional, muito menos espiritual.

Que vergonha, moderadores da lista voadores, que vergonha,

Anthony D’Andrea

= = =

Mensagem ofensiva do Moderador da Voadores (possivelmente do psicologo Lazaro Freire):

Sábado, 8 de Janeiro, 2011, 18:00

Vá a merda, “Zen”.
O que lhe surpreende ou ordena não é de nossa conta.
Crie sua lista “profissional” e vá cagar regras para os seus.

Montamos nosso próprio grupo, não lhe convidamos ainda para moderá-lo. Pessoas afins com a proposta e harmônicos com a condução são bem vindas. Simples. Se não é seu caso, ótimo, certamente encontrará listas melhores e maiores que nós. Boa sorte.

Notamos via histórico yahoo que sempre tenta “repreender” publicamente moderadores ao postarem em sua própria lista. Se ainda deseja permanecer no grupo, observe melhor nosso funcionamento.

Bem observado sobre não sermos “profissionais”. A moderação não cobra nada por isso, não tem obrigação de lhe responder, menos ainda em particular. Esse é um grupo privado, particular e moderado que por acaso tem acesso público e aceitou lhe receber. Você não é nosso cliente. Não há SAC voador. E você não é o moderador do moderador. Lista errada.

Quanto às suas liçōes, sempre fomos contra mensagens em particular. Deveria saber. Assuntos de lista são tratados em lista, quando as pessoas entram no diretório ou site da lista temática. Não invadimos email particular com tratamento pessoal a carências de afeto, temos muito mais o que fazer – inclusive fora da lista. Nossos assinantes também. Administramos impessoalmente há anos  um grupo gigantesco. Se quer conexão pessoal via internet, procure um webchat de telesexo.

E já que sabe tanto de listas, mensagens administrativas (como aquela) e rejeições (como essa) não se responde. Elas já são uma intervenção extrema e extraordinária encerrando uma questão. Elas encerram polêmicas administrativas, você parece querer ampliá-las. Fim de conversa. A regra está sendo posta ali. Não haverá um terceiro aviso.

Dito isso, serei direto e claro como pediu: – vá trollar a puta que pariu, aquela perversa que ninguém modera, segundo Montesquieu.

= = =

Minha mensagem enviada para a lista Voadores – 8 de janeiro de 2011, 13:50

> Estas intervencoes dos moderadores me parecem um tanto vagas,
> confusas, e ate meio indelicadas.
>
> Seria melhor os moderadores sejam claros sobre qual e’ examente o
> problema (explicado de forma educada e formal), ou entao que entre
> em contato diretamente com o “recalcitrante” em privado.
>
> Ademais, me surpreende que ocasionalmente um moderador ou outro
> use a lista para enviar suas opinioes pessoais em destacado.
>
> Ate o momento, a moderacao da lista voadores me parece um tanto
> quanto amadora e mesmo pesada.
>
> “A moderacao deve ser moderada, porque o virtuosismo em
> excesso tende ‘a perversao.” (Montesquieu)
>
> Sinceramente,
>
> ZN/AD’