Comunistas Avisam: “Vai Reencarnar à Força!”

setembro 21, 2014

dalailamafacesO Dalai Lama recentemente declarou que não quer mais reencarnar no Tibete, caso a nação siga sob o controle da China comunista.

Numa entrevista ao jornal Die Welt, ele disse: “Tivemos Dalai Lamas durante cinco séculos. O atual [referindo-se a si mesmo] é muito popular. Vamos então terminar com a lineagem com um que seja mesmo popular!”

A reação comunista? Ao contrário do logicamente esperado, o governo chinês não está nada satisfeito com as declarações do lider espiritual do Tibete.

Um porta-voz do governo chinês declarou: “O título de Dalai Lama é conferido pelo governo da China. Assim sendo, o atual Dalai Lama tem segundas intenções ao negar os fatos, e isto é prejudicial para a ordem natural do budismo tibetano.” Em outras palavras: haverá um futuro 15º Dalai Lama de qualquer jeito.

O tema da reencarnação é um assunto sério para o governo comunista chinês, que invadiu o Tibete em 1951. Em 2011, o Dalai Lama abdicou sua liderança na Administração Central Tibetana (controlada pela China), na esperança de forçar algum tipo de democracia. Entretanto, ele concede: “há risco de que interesses políticos velados possam manipular o sistema reencarnatório para favorecer certas agendas espúrias.”

O cenário futuro mais desastroso seria dois Dalai Lamas, um nomeado por Pequim e outro por Daramsala (capital tibetana no exílio, localizada na Índia), ambos competindo pela liderança espiritual do Tibete. Ativistas tibetanos vem se manifestando na mídia tentando contornar a situação, explicando que as declarações do Dalai Lama foram tiradas de contexto.

A disputa sobre quem reencarnará é política. Segundo o Professor Richard Barnett (Universidade de Columbia e especialista em Tibete), a ameaça feita pelo Dalai Lama é uma tática de negociação para tentar gerar alguma autonomia para o Tibete, e talvez um dia retornar à sua terra natal. Segundo o pesquisador: “É uma forma de sinalizar aos chineses, com uma moeda de troca: ‘negocie comigo antes de eu morrer’.”


Fantasma de Padaria Não Gosta de Bolo!

abril 1, 2014

A câmera de segurança numa padaria flagrou uma tampa de bolo voando inexplicavelmente. Foi na cidadezinha de Gilford em New Hampshire, nordeste dos Estados Unidos.

O gerente então chamou um parapsicólogo e uma médium para pesquisarem o suposto caso de poltergeist no local. Os empregados vem relatando “encontros estranhos”, como visões de sombras masculinas e outros barulhos.

A médium sente “vibrações estranhas” com o coração batindo forte, e afirma que há uma “presença” no local. Ela diz que é o espírito de uma mulher mais velha que frequenta a padaria. O parapsicólogo no entanto é mais cético, se limitando a dizer que: “algo misterioso ocorreu como mostrado neste vídeo, mas não há explicação simples.”

Ambos vão retornar para um estudo mais detalhado de mais horas. Enquanto isso, os empregados seguem trabalhando, sem sentir medo, mas esperançosos de que alguma explicação possa ser dada.

O que você acha?… Deixe seu comentário.


Ruptura na Conscienciologia Internacional

março 28, 2014

casal alegretti travellato

Alguns colegas me perguntaram sobre a ruptura ocorrida esta semana (fins de março de 2014) no mundo conscienciológico. O casal Wagner Alegretti e Nanci Trivellato declarou a indepêndencia do International Academy of Consciousness (IAC), que rompe com a rede organizacional de Waldo Vieira, pai da projeciologia (precursora da conscienciologia).

E’ uma estória ainda em andamento, com consequências que poderão levar anos para se manifestar claramente. O que me surpreende não é tanto a ruptura administrativa, pois fusões e divisões são comuns à dinâmica de organizações complexas.

O mais surpreendente é a longa coexistência entre duas visões divergentes de conscienciologia: por um lado, uma visão analítica, moderada e mais aberta ao diálogo (ilustrada por Alegretti); por outro, uma visão mais radical, iconoclasta e autocentrada (ilustrada por Vieira). São estilos de liderança que moldam a conduta grupal, mas são essencialmente irreconciliáveis. A distância internacional provavelmente mitigou parte desta tensão ao longo das décadas, mas num mundo cada vez mais globalizado tais conflitos acabam sendo inevitáveis.

A forma explosiva desta ruptura é de se notar. Não foram questões ideológicas ou metodológicas, mas sim disputas por controle e remuneração. Ao rever 37 páginas de correspondências oficiais entre a UNICIN (União das Instituições Conscienciocêntricas Internacionais) e o IAC assim como 35 cartas de voluntários do IAC (que examinei em 03/31), fica claro que a ruptura decorreu das exigências de trabalho crescentes que foram impostas pela UNICIN, sobrepostas a 25 anos de limitações financeiras estoicamente enfrentadas pelo casal Alegretti-Trivellato. Ao contrário do que alguns pensam, não vejo o tema da remuneração como “pretexto” para justificar a ruptura. Isso implicaria “auto-corrupção evolutiva” por parte do casal. Não creio que seja este o caso. Noto que a questão da remuneração é antiga.

Em 1990, minha sugestão para um plano de estágio remunerado foi rejeitada, curiosamente, pelo próprio Alegretti. Hoje, é a deterioração das condições de trabalho impostas por Foz do Iguaçu que inviabiliza a coexistência destes dois estilos administrativos.

O futuro do International Academy of Consciousness abre-se assim de forma interessante. Tipicamente, voluntários saem sem direitos quando se desligam. Mas, no momento, parece que o casal Alegretti-Trivellato está levando a marca e a rede organizacional do IAC. Eles contam com o apoio massivo de seus voluntários e diretores de filiadas internacionalmente.

Ao que parece, o IAC vai dispor de recursos extras, além de autonomia para se expandir e desenvolver colaborações alternativas. Enfim, abrem-se novas possibilidades, pois o IAC vem fazendo contribuições interessantes ao desenvolvimento da conscienciologia.

Como lições práticas, o sucesso de um programa de voluntariado requer três fatores: remuneração, ambiente e causa. (A remuneração pode ser monetária, aprendizado ou bem-estar pessoal). Ao menos dois destes fatores devem ser positivos para se manter colaboradores. No caso de Alegretti e Trivellato, não havia mais ambiente nem remuneração. Pelas reclamações de diversos voluntários que ouço através dos anos, há falhas no programa que se traduzem em uma relação desvantajosa para a maioria dos voluntários ao longo do tempo.

Se a administração determina que o voluntariado deva ser não-remunerado, o programa deve compensar com um ambiente de trabalho mais interessante e mesmo excepcional. Trata-se de uma lição e oportunidade para qualquer organização paracientifica ou religiosa.

Por Tony D’Andrea


Rolezinho Assombrado Acaba na Polícia

janeiro 19, 2014

claytonhosp

Uma multidão de 200 jovens compareceu em hospital rural abandonado em Wakefield, no centro da Inglaterra, quando rumores de assombração começaram a circular na internet. Incapacitados de controlar a situação, seguranças do Clayton Hospital tiveram que chamar a polícia.

Os caçadores de fantasmas apareceram na noite de sábado e invadiram os terrenos do antigo edifício que remonta ao século XIX. Alguns trouxeram equipamentos de detecção de fenômenos paranormais em estilo “Ghost Busters”, com a intenção de investigar e mesmo exorcizar o local.  Outros vieram de curiosidade, carregando latas de cerveja, só para observar e congregar.

Mas o chefe de polícia deixou claro, “Seja assombrado ou não, é um local perigoso e membros do público não devem estar ali em nenhuma circunstância.” Na confusão, quatro pessoas foram presas, mas mais tarde liberadas.

O hospital foi inaugurado em 1854, para atender a população mais pobre. Funcionando precariamente ao longo das décadas, foi fechado em 2012. Uma fundação educacional tem planos de transformar o hospital em escola. Os seguranças não reportam casos paranormais. Por enquanto, um funcionário da rede de saúde pública declarou: “Estamos trabalhando com a polícia e os bombeiros de West Yorkshire para certificar que um evento como esse não ocorra novamente.”

A juventude caçadora de fantasmas vai ter assim de esperar por outras oportunidades – coisa que não falta nas milenares ilhas britânicas. Mas uma coisa é certa: mesmo na terra da rainha, rolezinho espírita acaba em samba!

Baseado em artigo do Wakefield Express publicado em 19 de janeiro de 2014.

 


Vida Após a Morte: Globo Repórter Visita a Conscienciologia

novembro 30, 2013

Por Tony D’Andrea

A Conscienciologia foi tema do Globo Repórter desta sexta-feira (29 de novembro, 2013). Em dez minutos, a reportagem conduzida pela jornalista Dulcinéia Novaes é, no geral, muito boa. A única falha notável reside na longa introdução com tiradas filosóficas sobre medos e anseios da morte em meio a imagens de cemitérios e igrejas (“Há vida após a morte?”). Mas depois, a reportagem engrena bem proporcionando uma visão sumária da comunidade de conscienciólogos em Foz do Iguaçu, Paraná.

Como ponte à Conscienciologia propriamente dita, o depoimento de um engenheiro carioca tornado psicólogo e conscienciólogo proporciona uma narrativa típica de conversão: profissional materialista perde a esposa, e após um longo período de luto e depressão, conhece a Conscienciologia, resultando em respostas gratificantes e melhoria significativa na qualidade de vida.

A jornalista se posiciona neutralmente, sem criticar nem bajular o grupo. “Segundo os seguidores” é sentença que usa com frequência. Além de apresentar a infraestrutura e o funcionamento da comunidade ao derredor do Centro de Altos Estudos da Conscienciologia, eu noto aqui três pontos interessantes na reportagem:

1- “Novas palavras“: o crescente corpo terminológico gerado por Waldo Vieira chama a atenção da jornalista. É preocupante que esta excessiva lexicografia esteja tornando mais complicada a introdução de novas pessoas. A primeira vítima nesta ambição foi mesmo a Projeciologia, paraciência original de Vieira sumamente descartada, enfraquecendo-se assim o potencial empírico diferenciador da prática projetiva como instrumento para investigar o mundo extrafísico.

2- “Dogmas do espiritismo”: os vínculos históricos e ideológicos do Waldo Vieira com o espiritismo é outro ponto paradoxal aptamente notado pela jornalista. Ela nota que, apesar do Waldo Vieira afirmar que rompeu com Chico Xavier devido aos “dogmas” kardecistas, a Conscienciologia é fundamentalmente similar ao Espiritismo: reencarnação, carma e comunicação.

3- “Neozelandês”:  ao perguntar se a Conscienciologia ajuda seus seguidores, a jornalista entrevista um dos poucos estrangeiros na comunidade: um ex-executivo que se mudou da Austrália para o Brasil. O ponto do internacionalismo é ponto delicado nesta paraciência: se o fenômeno é universal, por que a maioria absoluta dos conscienciólogos são brasileiros?…

Veja a reportagem, e deixe o seu comentário. Lembre-se de subscrever o blog (ao topo na direita):


Hollywood Lança Filme Policial Espírita

junho 23, 2013

Por Tony D’Andrea

Novo lançamento da Universal Pictures, R.I.P.D. é um filme de ação que mescla temas espíritas e policiais.  Em sua sinopse, depois de ser assassinado, o espírito do policial Nick Cruz (ator Ryan Reynolds) é recrutado pela R.I.P.D. (Rest In Peace Department), força policial desencarnada dedicada à proteção do mundo dos vivos contra espíritos malévolos que se recusam a passar para o além. O policial veterano desencarnado Roy Pulsipher (ator Jeff Bridges) é outro personagem central, tira durão e irreverente com sotaque de vaqueiro e piadinhas sarcásticas que explica a criminalidade no mundo espiritual ao seu colega de trabalho e à platéia de espectadores mainstream.

Evidente mistura de Ghost e Men In Black, o filme é baseado em uma história em quadrinhos do mesmo nome. Não espere nenhum ensinamento  espírita profundo ou filosófico. R.I.P.D. é pura diversão, usando fórmulas típicas de Hollywood com tom de comédia infantil para atrair uma maior audiência, assim amenizando a temática sobrenatural que poderia ter sido abordada em forma pesada ou adulta (terror, psico thriller, drama, etc). A filmagem foi concluída em janeiro de 2012, mas problemas na pós-produção retardaram o lançamento de R.I.P.D. para julho de 2013.

Assista ao trailer legendado em português, e deixe seu comentário.


Internationalization of Projectiology (Free Book Chapter)

abril 20, 2013

By Tony D’Andrea

Founded in Brazil by the mid-1980s, Projectiology as an organization for the study of out-of-body experiences and the paranormal has expanded across the country and also internationally: Argentina, USA, UK, Spain, Portugal and even China.

My sociological analysis of its international strategies has been published as a chapter in the book “The Diaspora of Brazilian Religions” (Brill, 2013), a scholarly compilation of various religious, spiritual and parascientific cases.

It is my pleasure to offer the study on Projectiology, so anyone may find out more about the international growth of this emerging parascience.

Click here for a free PDF of the article “Internationalization of Projectiology”